segunda-feira, 28 de julho de 2008

Dónde está Wally? (Final)

São Paulo (SP) - Vi o tempo ruim de Porto Alegre sumir por sobre as nuvens e se transformar em um belo de um céu azul. Vi Florianópolis do alto e várias montanhas de Santa Catarina. Vi alguma praia de São Paulo e, de quebra, ainda vi meu condomínio. Ah, como é bom voltar para casa!

Mesmo minhas férias tendo sido bem interessantes, nada se compara àquele clima que você já conhece. Às emissoras de rádio, ao sotaque, ao trânsito caótico... tudo. Assim como não tem preço aquela sensação de sair do portão de desembarque e ver a sua mãe ali, encostada, te esperando com um sorrisão no rosto.

Admito que foi estranho chegar à minha casa de novo, tomar um banho no mesmo boxe dos últimos 20 anos e ouvir meu sussurro de que “amanhã começa tudo de novo”. A mesma coisa que meu pai me dizia nas noites de domingo quando eu era mais novo, e me deixava deveras deprimido. Por que tudo tem que começar de novo? Não reclamo da minha rotina, mas recomeçá-la não é das coisas mais interessantes de se fazer.

Seja lá como for, tiro um saldo positivo apesar dos pesares que marcaram meus 17 dias de férias. É bem certo que sofri meu primeiro assalto à mão armada e tomei um enorme cano da minha antiga paixão argentina de infância, mas em contrapartida... bom, conheci um outro país, pude passar uns dez dias sem praticamente falar português, mas sim arranhando um portunhol ou, então, em inglês. Conheci pessoas bem interessantes, voltei a Porto Alegre, vi Palmeiras x Grêmio no Olímpico. Foi bem legal, diga-se.

Ainda tive tempo de jogar um futebol com os amigos de infância do meu condomínio. Depois, ainda aproveitei para me reunir com alguns outros amigos para tomarmos as Polares que eu contrabandeei de Porto Alegre. A cerveja, que tem a latinha nas cores da bandeira do Rio Grande do Sul, é a número 1 por lá porque não é “exportada” para nenhum outro Estado do Brasil.

Contando algumas de minhas aventuras e desventuras em terras portenhas e sulistas, ainda tive que ouvir de um amigo que eu estava com cabelo de argentino e sotaque gaúcho. Era tudo o que eu não queria ouvir, bah (embora reconheça que, depois da minha primeira ida a Porto Alegre, demorei algumas semanas para deixar de falar tão cantado).

Mas agora... agora estou de volta a São Paulo, e amanhã começa tudo de novo. Pelo menos no trabalho, já que do purgatório da faculdade ainda tenho mais alguns preciosos dias de folga. Muito embora tenha batido uma sensação bem ruim quando programei o despertador para me tirar da cama às 6h10.

5 comentários:

Boninha disse...

Trabalhaaaaaando muito bonito!

Eu também to, oi. Adoro essas primeiras semanas no trabalho em que dá pra ficar em Orkut, blog e afins...

E graças a Deus q ainda não tem Cásper.

=*

Boninha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Caroline Arice disse...

Pois eu te proponho um mochilão pela América do Sul.

Com muita tequila pra gente!

Carolina Maria, a Canossa disse...

E o mais importante: vc está sem barba!

Fábio disse...

Pô, até que enfim, né? Chega de moleza e bora lá que Pequim tá logo aí! :)