terça-feira, 3 de julho de 2007

As piores propagandas do mundo nos últimos 15 dias

Faço jornalismo. Trabalho como jornalista. Logo, não entendo muita coisa sobre publicidade (ou quase nada, pra falar a verdade). Mas ainda assim vale o registro de todas as baboseiras que andei vendo pela Avenida Paulista e arredores nas duas últimas semanas.

A primeira não foi bem na Paulista. Foi quando pegava o metrô para ir para a avenida. Não importa, o conteúdo publicitário é tão imbecil que compensa o resto. Eu explico:

Era um dia em que meu ipod tinha ficado em casa se recuperando de uma semana sem que este que vos escreve pensasse em recarregar a bateria da caixinha de sol ambulante. Assim, meus olhos estavam mais atentos para tudo o que acontecia em volta. Assim que entrei no vagão do metrô, olhei para a propaganda. Sustain. Nome de farinha láctea, embora a grafia não fosse da farinha láctea.

Enfim. Depois de muito olhar pro potinho escrito Sustain, fui ver o anúncio em si. “Quer que seu filho seja assim? Dê Sustain pra ele”. O ‘assim’ era um molequinho ligeiramente pançudo com um fraldão de sumô. Que idiota quer ter um filho gorducho que veste um fraldão e luta sumô? E o pior: quem foi o idiota que pensou em tal propaganda?

A segunda foi no Metrô Brigadeiro. Após um mês de leituras incessantes de “IBTA: um prédio que se destaca mesmo na Avenida Paulista” (ou algo parecido), vi que tinha um anúncio novo. A primeira coisa que eu li foi impactante: Nós também damos aula.

A tal propaganda da IBTA e o anúncio principal era esse. Uma faculdade que, além de outras coisas (que não se sabe o que), dá aula. Puxa!

Parei por alguns segundos na frente do indoor (esse deve ser o nome de um outdoor interno) pra ver se entendia o que eles queriam dizer. Só depois de uns dois ou três segundos que eu li o que tava em cima do destaque:

Em matéria de localização
Nós também damos aula

Ah, saquei. Mas que diabos de propaganda imbecil é essa? Será que eles dão aula de publicidade lá?

A que eu conto agora aconteceu na Paulista mesmo, enquanto estava no bar de sexta-feira. Momentos depois de comprar Drink no bunker, de Ricardo Carlaccio (o mesmo autor de Blues Escarlate), me apareceu uma mulher vendendo uma revista. Toda descolada.

“Oi, galera, posso apresentar essa revista pra vocês? Meu, essa é uma das principais revistas do país, é muito conhecida. Ela é muito legal, é muito show. Gente, olha essa diagramação que show! Olha, e ainda tem uma entrevista com o Gustavo! Ele é cientista! Eu tô vendendo essa revista, vocês querem?”

“Não, valeu”.

Reflexões de minuto:
1. Eu, por mais que não passe de um mero estudante de jornalismo, deveria conhecer a capa e o nome de uma das principais revistas do país se visse uma na minha frente.
2. Tirei 9,5 de diagramação neste bimestre (uau!), não achei nada de ousado naquela diagramação.
3. Que porra de Gustavo é aquele? E que me importa se ele é cientista?
4. Quem deu o emprego praquela maluca divulgar a revista?

Agora, mais duas propagandas que, sinceramente, eu não faria. A primeira atasanou a minha tarde. A droga da Uninove decidiu entrar no mundo do MSN. Basta você passar o mouse na parte de baixo da tela pra aparecer o vídeo do Bernardinho incentivando aquela garota no trem (que vai pra São Caetano, aliás) a fazer Uninove (pô, Bernardinho!).

E a segunda é a brilhante idéia da seleção brasileira de softbol em divulgar o esporte antes dos Jogos Pan-americanos. É um catálogo com fotos de sete das 19 atletas da equipe nacional. Algumas são belas garotas, mas vale o destaque esdrúxulo do Globo Esporte.com

Mas dessa eu falo amanhã. Ou depois. Posso mudar de idéia ainda.

3 comentários:

Diana disse...

mal falei com vc, jah to no seu blog... mas nao vai se achando nao... eh q eu nao tenho nada pra fazer, ta???
hauioahuia
preciso prestar mais atençao nas propagandas...
ou não..

Lia disse...

HAUAHUAHUHAUHAUHAUHAUAHUAHUA
eu vi a propaganda do sustain e a da ibta. e confesso que, na da última, eu não tinha entendido,
mas não tentei entendê-las. não sei pq, eu não ligo se não entendo propagandas, eu apenas esqueço que já tive essa dúvida e olho pra frente no metrô
esqueço.
HAUHAUHAUAHUAHUAHUAHUAHUAHUA
ótimo, ótimo

quanto à essas revistas desconhecidas, gosto quando o cara é pelo menos sincero: "ô, é pra ajudar...".
tudo bem ajudar, mas uma vez tentaram me vender uma revista-jornal de setembro do ano passado, e isso foi em maio(!).

=0**

Mané, maneiríssimo disse...

Eu não canso de ver propaganda cretina por aí - embora não tenha reconhecido nenhuma das citadas.

Agora, a do softbol foi sensacional - especialmente pelo fato de o GloboEsporte.com não ter feito nenhum trocadilho com taco ou algo assim.

OBS: Eu achei que só eu comprasse os livros do desocupado do Ricardo Carlaccio. Blues Escarlate eu já dei de presente para uns três.