domingo, 9 de março de 2008

Sabedoria materna

Parte 1:
Sábado de manhã. Eu, no banco do passageiro, rabiscava algumas palavras no papel e tentava elaborar uma lista de coisas para colocar na mochila antes de viajar. Mamãe ao meu lado.

“Camisetas, camisa do Palmeiras, bermuda, cueca, meia, documento, dinheiro, Odisséia, apostila, escova de dente, pasta, xampu, desodorante, sabonete, toalha de banho, carregador de celular...”. Estava completa.

Então minha mãe sentenciou: “Você vai esquecer alguma coisa, quer ver?”. Ah, hoje não. Ela tinha que errar algum dia, e nada melhor do que naquele sábado.

Parte 2:
Cheguei em casa, coloquei a lista em cima da cama e, enquanto socava tudo dentro da mochila o mais rápido possível, riscava o correspondente na listinha. Terminado, abarrotei tudo um pouco mais pra fechar a mochila e pronto.

Parte 3:
Antes de voltar ao carro, até lembrei de passar na guarita e pegar o meu jornal do dia. Dia de crônica do Marcelo Rubens Paiva no Caderno 2. Dia em que o jornal vale a pena. Então joguei a mochila no banco de trás e sentei no banco do passageiro, antes de mamãe começar um interrogatório.

“Pegou camiseta?”. “sim”. “Bermuda?”. “Uhum”. “Meia?”. “Três pares”. “Cueca?”. “Yep”. “Documento, dinheiro, xampu, sabonete, carregador de celular?”. “Confere, confere, confere...”.

Parte 4:
Mamãe insiste no interrogatório antes de colocar o carro na garagem do prédio. “Tá levando camiseta?”. “Tô”. “Bermuda?”. “Também. “Meia e cueca você não esqueceu, né?”. “Não”. “E o carregador de celular?”. “Tá aqui”. “E xampu, sabonete, toalha de banho...?”. “Tudo nas profundezas da mochila, mãe”.

Parte 5:
Depois do almoço. Novamente no carro, agora a caminho do metrô, que por sua vez me deixaria na rodoviária, com mamãe no volante e no comando da entrevista.

“Não esqueceu carregador de celular?”. “Não, mãe (note como as respostas soam quase entendiadas)”. “E bermuda, meia, cueca?”. “Peguei...”. “Blusão?”. “Tem lá”. “A toalha de banho tá na mochila?”. “Sim, junto com o barbeador”. “E escova de dente, pegou?”.

Tapa na testa: “Puuuuuuuuta merda, não”.

E a sabedoria materna me venceu mais uma vez.

3 comentários:

Anônimo disse...

Hahaha!

Isso sempre acontece comigo!

Hoje, por exemplo:
06h30: Filha, pegou o dinheiro. Peguei, mãe, eu vou comprar o ingresso dela.

10h30: Alô, mãe? O dinheiro tá aí?
Ufa, achei que tivesse perdido!

Ninguém merece!
Bjooo.

Fábio disse...

Elas sempre vencem.

Lucy in the Sky disse...

É sempre assim!
E geralmente é sempre a escova de dente...

:*