segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

"... mais que mil palavrões"

Noite de sábado, algo em torno das 22h30.

Um estádio de futebol. Um jogo entre um dos favoritos ao título e o último colocado. Uma partida horrível, um empate por 1 a 1, uma decepção coletiva.

Eu, do alto da arquibancada, gritava todos os palavrões possíveis pra expressar a minha indignação, raiva e todo o resto. Mais de 23 mil pessoas faziam isso. Menos duas.

Assim que minha voz começou a falhar e já tinha repetido todo o meu arsenal de nomes feios pela nona vez, sentei e comecei a olhar para o gramado. À minha frente, uma menininha de não mais que sete anos se virou, olhou para o pai e falou: “A gente jogou dinheiro fora, né, papai?”.

A garotinha, então se sentou no colo da avó. A velhinha, daquelas de orelhas bem grandes e rosto extremamente enrugado, pegou o último cigarro do maço, acendeu, tragou e suspirou profundamente. Ambas se olharam com o mesmo olhar desanimado.

A cena valeu mais do que todos os trocentos palavrões proferidos por toda a multidão.

6 comentários:

Allan Brito disse...

Ah, nem me lembre...

Acho q foi essa mesma meninha q olhou com uma cara assustada qdo eu soltei um sonoro "Buceta" em meio a tantos palavrões...

E o Palmeiras dá aulas de como NÃO educar crianças...

Abs!!!

Emanuel disse...

Crianças são especialistas em aulas como essa.

O Palmeiras também. Como a gente abre as pernas, meu...

Fábio disse...

Hahahaha, então você estava no Palestra, é? Aqui do lado de casa, diga-se de passagem. Pois eu estava assistindo a Pequena Miss Sunshine no Telecine, ouvi o grito da multidão na hora do primeiro gol e depois, subitamente, foi o silêncio que imperou... Hehehehe!

O pior é que não posso nem zoar muito, né? O futebolzinho que o São Paulo do glorioso Muricy Ramalho apresenta neste início de temporada é deprimente. Credo!

Lucy in the Sky disse...

Quando eu tinha a idade dela, o Palmeiras não proporcionava tantas decepções assim...
:[

Larissa Cabrini Morgato disse...

Pena que ela não tinha 9 anos em 1999!

Tomiate disse...

Minha avó faz cara de desânimo E berra mil palavrões. É de família.