sábado, 9 de março de 2013

Entenda as piadas sem sentido do Chaves: um rato estou de trabalhar aqui

Posso me queixar de algumas coisas nessa vida, mas não de trabalhar com uma série de pessoas estranhas, tanto ou mais que eu, que orientam parte da vida com Chaves. E foi assim que surgiu a discussão na noite da última sexta-feira.

“O que quer dizer a piada ‘um rato estou de trabalhar aqui’?”, me perguntou um colega, que obviamente não lê este blog – afinal, não saio divulgando por aí apenas por ser... uma pessoa... reservada? Chame do que quiser, tenho adjetivos mais fortes. Mas se lembram desse trecho?



Não precisei raciocinar muito, apenas pensei no equívoco de tradução mais básico. Rato, em espanhol, não quer em momento algum dizer aquele bichinho nojento que come queijo. Estes são ratas. Ou ratones, se for uma ratazana. Nunca rato.

Rato, em espanhol, quer dizer “momento”. En un rato me tengo que ir, eu ouvia com dor no coração, porque dali a pouco alguém iria embora. Pero en un ratito nos vemos, a pessoa mais tarde me dizia, me enchendo de esperança.

Isso nunca fez sentido lógico para mim e tive discussões sobre o tema com a pessoa que ia e voltava em um rato ou em um ratito.

Mas a piada deste episódio do restaurante não é, tecnicamente, um erro de tradução, como eu havia pensado. Inicialmente, supus que o Chaves teria dito “hace un rato que trabajo aquí”, mas não.

No áudio original, há uma gíria que não é muito usada na minha vertente do espanhol, mas sim no México. Vejam só, a partir de 15:00 (e continuem vendo, é sensacional o chilique do Chaves na sequência ao dizer que não tem biscoitos).



Ya lo maté, disse o Professor Jirafales. Al ratón?, perguntou o Chaves, referindo-se ao rato e logo percebendo a gafe diante do restaurante cheio. No, yo iba a decir: al ratón nos vemos, corrigiu, fazendo uma despedida com as mãos.

Apesar de ratón significar o rato, animal, em algum momento da linguagem coloquial é compreensível dizer nos vemos al ratón como quem diz “te vejo daqui a pouco”. Na hora lembrei como costumava responder Pero va a tardar un ratononononóóóón hasta que te vea de vuelta, sem nem perceber que colocava, naquele contexto, uma gíria estranha para o povo rio-platense.

Mas... é isso. Rápido e não muito relevante, um mistério a menos.

Um comentário:

Anônimo disse...

Cara, na verdade ele quis dizer: "honrado estou de trabalhar aqui ...".
Só que puxando pro sotaque Paulista da época - o "r" bem marcado (honrrrrrado). E o dublador do Chaves trocava o "d" pelo "t", as vezes, deixando a dublagem do personagem autêntica. Então, fica "honrrrato estou de trabalhar aqui, não é?..."