quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

Protesto nostálgico

A primeira coisa que faço ao pegar o jornal na guarida do meu condomínio é abrir na seção de cultura/variedades para ler as tirinhas do Calvin e do Charlie Brown. Mas ontem mudei a ordem ao ter a atenção chamada para outra notícia, que sequer ganhou o destaque que merecia: “O novo Boomerang”, alertava a manchete sem negrito, sem nada. “Fãs querem clássicos de volta ao canal”.

Li a nota curta de pouco menos de mil caracteres e tive a sensação de ter nas mãos uma das notícias mais importantes dos últimos tempos. Resumindo, o site RetrôTV, revoltado com a ‘mudança editorial’ do canal segunda-linha do Cartoon Network, lançou um abaixo assinado pedindo o retorno dos clássicos à emissora paga.

Contextualizando: O Boomerang, dissidente do Cartoon Network (propriedade do magnata Ted Turner), surgiu em 2001 sob o slogan de ‘o que é bom volta’ e com a intenção de passar os clássicos desenhos da Warner, da Hanna-Barbera e demais preciosidades. Tudo isso porque o CN lançava desenho atrás de desenho (de qualidade bastante questionável, diga-se) e deixava as velhas animações (de qualidade inquestionável) para escanteio.

A programação do Boomerang em seus primeiros semestres de vida era invejável: Zé Colméia, Tartaruga Touché, Corrida Maluca, Olho Vivo & Farofino, Formiga Atômica, Os Impossíveis, Pantera Cor-de-rosa, Snoopy, Pernalonga & Cia., Garfield, Tutubarão, Pepe Legal & Babaloo, Droopy, Flinstones, Jetsons, Popeye, Scooby-Doo... ah, e muito mais. Não apenas as crianças eram o público-alvo do canal, mas também adultos que não se identificavam com a nova leva de animações patrocinadas pelo Turner.

Só que nem tudo correu conforme o esperado. Quebrando o protocolo, o Boomerang passou a abrir espaço para animações desbancadas no Cartoon, mas produzidas ainda na década de 1990, bem como algumas séries. Muitos clássicos saíram do ar, como os meus xodós Os Impossíveis e Olho Vivo & Farofino, e os remanescentes foram jogados para a madrugada.

Durante muito tempo, passei a dividir as atenções da madrugada entre o Programa do Jô e a Pantera Cor-de-rosa. Tinha dias até em que eu ficava acordado até as 5 da manhã para ver a (Lá vem a biônica!) Formiga Atômica. Até que o óbvio – e trágico – acabou acontecendo: o Boomerang se reformulou, mudou slogan, baniu os clássicos e passou a se focar em um público moderno. Dia desses passou a maratona RBD (aquela novelinha mexicana tosca, carro-chefe da nova emissora). Um vexame, uma heresia...

Então o RetrôTV teve uma sacada de gênio – e a única cabível para nostálgicos como eu. Um abaixo assinado, aberto até o comecinho de março, até ser encaminhado à Turner. Se vai funcionar eu não sei, mas pelo menos é o que nos resta. Este blog, portanto, adere à campanha.

Lobby: Dia desses relatei uma reminiscência ao ver um episódio da Disney na Globo em um sábado de manhã e fui apoiado pelo Mané, que comentou: “Reparou que nessas melhores lembranças de desenhos na TV na infância, o dia nunca está ensolarado? E os desenhos nunca são essas porcarias japonesas?”.

Mais tarde, o Mané encontrou uma jóia rara da Disney: o a visita do Pato Donald à Praia de Copacabana, marcando o encontro do Zé Carioca com o Pato Donald (auge do vídeo: 3min15 – 4min15). E aí foi a minha vez de opinar. “Cara, esse desenho é algo que passa do brilhante e se aproxima muito da perfeição. E são coisas assim que me fazem ter orgulho de, durante toda a minha infância, ter sido viciado nos desenhos da Disney. A nova geração, em compensação, vai se gabar por ter visto... aahn... os clássicos Jake Long, Kim Possible e Lilo & Stich? Ah, meu velho, eu sou muito mais o Pateta!”.

A sessão nostalgia não parou por aí. Dias depois, a Carol encontrou um especial de Natal da Turma da Mônica feito nos idos de 1970. A descrição dela resume tudo: “Coisa de gênio”.

Considerações: Não que só haja lixo atualmente. Confesso que gosto muito de Bob Esponja e passei a simpatizar muito ultimamente com os Padrinhos Mágicos. Acho o Laboratório de Dexter muito bom, tanto quanto Johnny Bravo. Só que... é claro que trocaria tudo isso por um Fantástico Mundo de Bob, Doug Funny, Tintim – falando por baixo, porque citar Snoopy, Pica-pau, Pernalonga ou qualquer outro clássico da Hanna-Barbera seria covardia.

E... não sei se foi porque passei os melhores anos da minha infância assistindo aos últimos anos de gala desses desenhos, mas era muito mais fácil encontrar algo de qualidade na programação. Agora vai ver hoje em dia alguma coisa inteligente no meio de Vaca & Frango, Du, Dudu e Edu...

2 comentários:

Mané disse...

Cara, eu adorava Urso do Cabelo Duro no Boomerang. Incrível como uma proposta boa como a do Boomerang acabou se perdendo. Virou um canal comum - ou até menos que isso.

Já tentei escrever sobre os novos desenhos e os nossos desenhos. Não consegui. Mas cheguei a conclusão semelhante.

Allan Brito disse...

Putz....

ctz q estarei no abaixo-assinado...

Aderi recentemente à tv paga, então perdi essa boa fase da Boomerang...

Só lembro dela por causa das malditas maratonas RBD, hahahahaha...

Abs!!!

Ps: E a Ivanovic passou pra final hein?!!! Confronto de musas na final do AO!!! Show! hahaha...