sexta-feira, 27 de julho de 2012

Entenda as piadas sem sentido do Chaves: Não se diz cagueta, se diz chupeta

Há um certo tempo eu havia tentado desvendar tal piada, mas não tinha sido capaz sequer de entender o que era dito em espanhol. O tempo passou, porém, e resolvi tentar rever o episódio “Caçando Lagartixas” para ver se minha compreensão melhorava. E não é que, neste momento, tive uma epifania e tudo resolveu fazer sentido na minha cabeça?

Pois bem. Lembram-se neste episódio (inesquecível para mim, dada a voz irritante da dublagem do Chaves), logo no comecinho, quando o Seu Madruga vai ralhar com o nosso querido menino da Vila por ter dito à Dona Florinda que não havia pedra naquele estilingue? Pois bem. Ali começa um dos diálogos mais sem sentido do seriado, especialmente na versão dublada. E é dali que sai a famosa frase “não se diz cagueta, se diz chupeta”, que, imagino eu, sempre tenha carecido de uma explicação sóbria e sensata. Mas vejamos, a partir dos 2:00:

Toda essa confusão tem início por causa de um maldito verbo em espanhol que não temos (não em tradução perfeita) no português: o tal do echar, que pode significar muitas coisas. Um hispanohablante echa de menos quando tem saudade, echale sal quando salga alguma comida, echa a perder quando desperdiça algo, echa quando demite alguém... enfim, são nada menos do que 48 significados possíveis, de acordo com a Real Academia Espanhola. Isso sem falar em locuções, gírias ou regionalismos.

E é daí que sai o echar de cabeza, expressão usada pelo Seu Madruga quando o Chaves o dedura para a Dona Florinda. Só que, analisando friamente, não seria tão absurdo assim encontrar outro significado para tal declaração. Confira, no áudio original (adiante até os 2:50):

O Chaves se limita a entender a versão mais “clássica” do echar: “jogar de cabeça”. E responde que alguém que “echa de cabeza” outra pessoa é um lutador (e não carrasco!), porque “agarram o outro lutador e jogam de cabeça no ringue e ganham porque o juiz levanta a mão dele”. Perceberam como o gestual dele durante a fala tem mais sentido?

Mas, o que vem a seguir, é um festival de bobagens do Chaves para as perguntas do angustiado Seu Madruga, que diz se referir a pessoas “delatoras” – ou caguetas. Mas qualquer coisa menos isso foi entendida, basta ver a risada do garoto do barril: “não se diz de la tora (ou “da toura”, em português), se diz ‘de la vaca’”, responde ele.

Viram só? É apenas uma piadinha ingênua, simples... e que não tem naaaada a ver com a tal da chupeta. Só que, convenhamos, não era nada fácil encontrar alguma conversa com sentido para tal passagem tão desconexa (e engraçada!) da versão original, não é verdade? Até o próprio Seu Madruga admite que os dois não estavam falando no mesmo idioma.

Na sequência, aproveitando o cortejo, vamos desmascarar que “o dedo duro é o dedo esticado” (ainda que não deixe de ser verdade).

Seu Madruga pergunta (em espanhol) se o Chaves sabe o que é um traidor (e não um dedo-duro). A resposta simplória do garoto é dizer que um “traidor” é alguém que traz coisas – tem lá seu sentido, já que “trazer”, em castelhano, é “traer”. E um “traedor”, pensando assim, pode ser encarado como alguém que “traz coisas”.

Contentes? Tomara.

4 comentários:

Toni-RJ disse...

Que maravilha Felipe! A parte do "de la vaca" eu tinha entendido antes assistindo o original, mas dos outros detalhes eu não tinha entendido nada! Muito obrigado por nos trazer o entendimento da riqueza das piadas do Chespirito!

Eduardoo.Ree disse...

Olá, Felipe! Eu gostaria que você explicasse aquela piada que o professor Girafales pergunta para a Chiquinha quem foi tal pessoa (eu me esqueci o nome kkk) e ela responde: - O vendedor de cerveja!
Explique essa piada, por favor.

Anônimo disse...

Muito bom

Alex Burgess disse...

Eduardo, não está se referindo ao Gualtermo Malta Cevada? Sobre essa piada, no original o Girafales queria saber quem foi Cuauhtemoc Moctezuma e a Chiquinha responde que é uma cervejaria mexicana que tem o mesmo nome. A dublagem nacional aproveitou pra fazer uma piada de duplo sentido com o nome, uma vez que ambos os sobrenomes são itens presentes nas cervejas.