segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

"Triste" realidade

Não sou lá muito fã de escrever sobre esportes no meu tempo fora do trabalho, mas os recentes acontecimentos me fizeram abrir uma exceção.

Não ver o Palmeiras ganhar um título decente há quase oito anos (o último foi a Copa dos Campeões, em julho de 2000) me fez perder um bocado da paixão pelo futebol. Não tinha muita coisa para comemorar ultimamente, até que chegou domingo.

Em dias normais, ficaria puto da vida com o fiasco que meu time deu em pleno Palestra Itália perdendo por 3 a 1 para o Atlético-MG e jogando fora a vaga na Libertadores de 2008. Mas 2 de dezembro de 2007 não foi um dia normal: foi o dia em que 90% dos torcedores brasileiros apaixonados por futebol comemoraram a queda do Corinthians para a Série B do Campeonato Brasileiro.

Quando o árbitro Alício Pena Jr. Pediu a bola e decretou o final da partida, comemorei na janela do prédio como há tempos não fazia. Dei muita risada ao ver o choro de todos aqueles corintianos e não tive dó, assim como não tiveram de mim há cinco anos, quando o Palmeiras foi rebaixado. Aquela coisa de que vingança se come fria.

Meu momento mais animado nessa história toda aconteceu hoje de manhã, quando surgiu uma pauta extra para fazer no trabalho: a sina do Corinthians na Segundona em 2008. A notícia, que tinha tudo para ser chata e cansativa, foi talvez a que mais me divertiu ao longo de sua confecção. Muito bom, embora eu deva ter sido xingado por uma boa parcela de torcedores.

Menos ensandecido, porém, percebo que o rebaixamento do time do Parque São Jorge foi terrível para o futebol brasileiro. Além de mostrar que o lance de parcerias feitas às pressas é uma roubada a longo prazo, ressaltou algo que não apenas eu, mas muitos estamos dizendo nos últimos anos: o futebol brasileiro está falido, para não se aprofundar em outros aspectos como a debandada de ‘craques’ para o exterior.

O segundo time mais popular do Brasil é, hoje, de segundo escalão. E na ‘elite’ temos equipes como o Ipatinga, que nada mais é do que uma sucursal do Cruzeiro. Uma lástima. Pelo menos em 2008, o Campeonato Brasileiro vai perder grande parte de popularidade. A média de público certamente cairá, bem como a audiência da televisão. Não haverá o sempre eletrizante Majestoso e nada disso. O time mais odiado pelo Brasil vive uma situação lamentável. E ver um inimigo em uma situação é sempre ruim: bater em quem agora?

Claro que o rebaixamento de um dos tetracampeões brasileiros vai fazer com que o clube assuma as rédeas da panela de pressão que é o Corinthians. Isso só vai acontecer lá pela segunda metade de 2008, quando o time emplacar uma série de resultados positivos na Série B e passar a brigar por uma vaga no G-4. Até lá, pode apostar: vários vexames acontecerão. E é bom a diretoria tomar cuidado com o Paulistão, quando times inexpressivos como Rio Claro, Guaratinguetá e Noroeste fecham parcerias com duas mil empresas e formam times até que fortinhos para o certame.

Mas não acho que a queda do Corinthians será um marco no futebol brasileiro. O sinal de alerta foi aceso em 1997, quando o Fluminense foi rebaixado para a Série B e, no ano seguinte, para a Série C. A nova era de vexame dos grandes (cujo slogan é a velha máxima de que ‘não tem mais bobo no futebol’) teve início em 2002, com as quedas de Palmeiras, Botafogo e Portuguesa.

Desde então, foram 13 times tradicionais que amargaram pelo menos um ano na segunda divisão antes de retornar à ‘elite’ – ou então chafurdar ainda mais na lama.

Quer a prova?

2002: Palmeiras e Botafogo caíram e conseguiram o acesso no ano seguinte, enquanto a Portuguesa passou cinco anos na Série B até voltar.

2003: Campeão brasileiro de 1988, o Bahia caiu e ainda não conseguiu voltar. O Tricolor soteropolitano, aliás, chegou a cair para a terceira divisão em 2006 e voltou para a B neste ano.

2004: O Grêmio caiu e suou para voltar na temporada seguinte. Junto com o Tricolor Gaúcho também foram rebaixados Vitória (que só em 2007 conseguiu o acesso) e Guarani (rebaixado para a Série C em 2006).

2005: O primeiro campeão brasileiro, não escapou da queda em 2005, mas subiu um ano depois. O Coritiba demorou 12 meses a mais, e só agora está de volta.

2006: Vice-brasileiro em 2000 e 2001, vice da Libertadores em 2002 e campeão paulista de 2004, o surpreendente São Caetano teve seu vôo errante rebaixado para a Série B, assim como a Ponte. Ambos não conseguiram subir este ano e, em 2008, enfrentarão o Timão.

2007: Corinthians, Paraná e Juventude. Será que voltam? Acho que corintianos e paranistas sobem, enquanto o Ju fica um tempinho na B.

Mas a pergunta que fica mesmo é: em 2008, quem serão os grandes que terão que passar pelo purgatório da Série B? Não sei, só que tenho a sensação de que, nos próximos dez anos, vários clubes tradicionalíssimos cairão. Te cuida, São Paulo!

4 comentários:

Anônimo disse...

Vamor torcer - e muito - para o São Paulo cair logo.

Mas acho que o Brasileirão sobrevive à queda do Corinthians. É claro que eu, como você, também preferia um time mais tradicional do que o Ipatinga/Usiminas/Prefeitura de Ipatinga na elite (a parceria com o Cruzeiro acabou). Mas nós temos ainda excelentes times na Série A.

De quebra, o Corinthians tem tudo para abrilhantar ainda mais a Série B. Ora, já não estão falando de transmissão da Globo?

Temos mais é que comemorar - assim como eles fizeram há cinco anos. E assim como palmeirenses e corintianos farão até 2014.

Mané disse...

OBS: O último comentário era meu!

Allan Brito disse...

é, também não acho q o Brasileirão perde muito ñ... to feliz da vida!!! huauhauhauhauha...

Fldo sério: o importante é observar q os times grandes estão acordando e percebendo que, se não se estruturarem, vão cair mesmo. E isso dá resultado, de fato. Basta olhar a tabela e ver q os 12 primeiros, com uma ou outra exceção, são clubes grandes... essa série de rebaixamentos está fazendo um bem sim pro futebol brasileiro. Hoje, ele parece falir. Amanhã, acho q acordará e se estruturá aos moldes de Inter, São Paulo, Santos, etc...

Abs!!!

Gabriel disse...

Eu percebo o quanto o tempo está passando rápido em perceber que a Portuguesa passou 5 anos na série B. Lembro no dia em que ela caiu - porque acho a Portuguesa até um time simpático - do tanto que fiquei chateado.